O Voto dos Empresários

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/04/15/o-voto-dos-empresarios/

15/04/2010 – 13:47

O voto dos empresários

Do Valor

Empresário aprova Lula, mas vota Serra

Cristiane Agostine e Ana Paula Grabois, de São Paulo

15/04/2010

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi bom para o setor empresarial e será lembrado como um período de forte crescimento do setor produtivo, segundo empresários e dirigentes de grandes grupos industriais. Em enquete realizada pelo Valor na terça-feira, na entrega do prêmio “Executivo de Valor 2010″, todos os que responderam à sondagem informaram que suas empresas cresceram de forma significativa nos últimos oito anos. Dos 142 empresários que participaram da pesquisa, nenhum disse que nesse período sua companhia estagnou ou encolheu. No entanto, a maioria pretende votar na oposição na eleição presidencial de outubro. José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo, recebeu 78% dos votos. A candidata do presidente Lula, ex-ministra Dilma Rousseff, teve 9% das intenções de voto. A pré-candidata do PV, senadora Marina Silva, conquistou 5,6% dos votos e o deputado Ciro Gomes, do PSB, teve apenas um voto, 0,7% do total.

O governo Lula é bem avaliado, segundo a sondagem: 52,8% consideram a gestão ótima ou boa e três em cada quatro empresários disseram que suas companhias ganharam muito no governo Lula. Apenas 6,3% classificam a administração como ruim ou péssima. A visão positiva em relação ao governo, entretanto, ainda não foi convertida em intenção de voto para a petista. Entre os que informaram que suas empresas cresceram muito, Dilma recebeu 9,3% dos votos e Serra, 79,4%.

Os empresários responderam três perguntas, sem se identificar e depositaram o voto em uma urna.

Durante a premiação, empresários ouvidos pelo Valor evitaram revelar a preferência por um candidato, mas apontaram a prioridade do próximo governo: o controle dos gastos públicos. A redução de gastos correntes, analisaram, ajudaria o país a ter mais recursos para investir em obras de infraestrutura. Na análise do presidente executivo da Vale, Roger Agnelli, o sucessor de Lula deverá atuar no controle de gastos. “Isso pode mexer na economia como um todo”, disse. Walter Schalka, presidente da Votorantim Cimentos, reforçou: “Não podemos ficar sustentando a máquina pública. Precisamos de um choque de gestão”.

A questão é mais relevante do que uma eventual mudança no câmbio, avaliou Harry Schmelzer Junior, presidente da WEG. “É preciso ter controle de gastos. Mesmo quando a economia está favorável o governo continua aumentando o custeio. É o problema do governo e Dilma vai ter que mostrar como vai reverter isso.”

Para empresários, ainda não está claro qual candidato está mais identificado com a questão cambial ou com o controle de gastos. Na avaliação de Mario Longhi, CEO da Gerdau Ameristeel, “é muito cedo para saber qual vai ser o posicionamento dos candidatos”. “É preciso saber o que cada um vai defender”, afirmou. Pedro Janot, presidente da Azul Linhas Aéreas, contudo, já definiu o voto e considera que Serra tem perfil adequado para reduzir gastos correntes. “O controle maior do gasto público e a reforma tributária terão que sair. É o que vai desonerar a produção e fazer o Brasil crescer. Serra está mais preparado, tem mais arcabouço para fazer essa mudança”, disse Janot.

A maioria dos empresários disse não ter perspectiva de grandes mudanças no rumo da economia. Seja quem for o sucessor de Lula, deverá manter os eixos básicos da política econômica conduzida pelo governo federal. “Pode girar dez graus para a direita, dez graus para a esquerda, mas não vai mudar muito mais do que isso. O que aconteceu em 2002 não se repetirá. A campanha terá a tranquilidade de 2006″, afirmou Schalka. “A mudança econômica que qualquer um dos candidatos fará será marginal.” Para o presidente da Suzano Papel e Celulose, Antonio Maciel Neto, a “agenda está dada: responsabilidade fiscal, investimento e câmbio flutuante.” Agnelli, da Vale, ressaltou que “o rumo está traçado” e “não haverá mudanças”. Empresários, no entanto, ressalvam que pouco foi dito até agora pelos pré-candidatos sobre o tema.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), deve manter a prioridade à formação de grandes conglomerados nacionais, defenderam empresários como Walter Schalka. “O trabalho que (Luciano) Coutinho fez no BNDES foi fantástico. Gerou investimentos e competitividade. Precisamos incentivar esse tipo de ação para ter representatividade maior na economia internacional”, analisou. A estratégia do BNDES, no entanto, não tem consenso. “O banco poderia se voltar para pequenas e médias empresas”, comentou o diretor presidente da Natura, Alessandro Carlucci. “Tem que ter equilíbrio e é preciso contemplar todos os lados”, disse Schmelzer Junior.

O governo Lula, na visão de empresários, acertou ao promover uma política de valorização do salário mínimo, “que ajudou a aumentar o consumo e estimular a economia”, e na criação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). “A política do salário mínimo é boa e deve ser mantida. É melhor do que o Bolsa Família, que é bom, mas não é sustentável”, comentou Carlucci. Poucos sugeriram mudanças profundas no PAC, principal programa do governo e bandeira de Dilma na campanha eleitoral, mas apontaram que é preciso ter mais “velocidade” e “investimentos” no programa.

___________________________________________

Comentário:

Nenhuma novidade. Eles podem estar ganhando bastante, mas preferem ganhar sem ter alguém como o Lula na presidência.

Agora, é impressionante o quanto o discurso neoliberal foi introjetado. O aumento dos gastos públicos é bom para os empresários, pois aumenta a demanda efetiva. Quando o governo gasta ele compre de quem? Das empresas! E mesmo que ele gaste com pessoal, essas pessoas fazem o que com sua renda? Consomem mais!

Na questão tributária já é mais fácil entender, pois empresário sempre vai querer menos imposto. E aí eles ficam dizendo que não dá para aguentar a carga tributária, sendo que, na verdade, ela é baixa no Brasil. Aliás, talvez seja por isso que eles sejam contra o aumento do gasto público, para que não aumente a carga tributária. Mas não foi por isso que eles argumentaram.

Mas o interessante é que todos concordam que os rumos da política econômica estão bons e não devem mudar muito, independente de quem ganhe. Ou seja, eles voltaram a gostar do crescimento. Isso é bom, porque afasta qualquer fantasma de retorno ao neoliberalismo.

Mas o elogio ao Luciano Coutinho é meio assutador.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: