Brasil e Turquia denunciarão EUA e aliados ao Conselho da ONU

Os Estados Unidos mais uma vez mostraram que quem manda no mundo (e na ONU) são eles. Mas o Brasil e a Turquia estão corretíssimos em denunciar a proposta de sanções, mesmo após um acordo ter sido alcançado.

Enfim, quem disse que os EUA querem uma solução pacífica e negociada?

______________________________________

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,brasil-e-turquia-denunciarao-eua-e-aliados-ao-conselho-da-onu,553522,0.htm

Brasil e Turquia denunciarão EUA e aliados ao Conselho da ONU

Segundo países, Washington não deu prazo para Irã implementar acordo e impôs sanções precipitadamente

18 de maio de 2010 | 20h 09
Denise Chrispim Marin, de O Estado de S. Paulo

BRASÍLIA- O Itamaraty não escondeu nesta terça-feira, 18, a sua indignação com a atitude dos Estados Unidos de ignorar o acordo extraído pelo Brasil e a Turquia do governo iraniano e enviar uma proposta de novas sanções contra o Irã ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. Como reação, os chanceleres do Brasil e da Turquia encaminharão nesta semana uma carta a cada membro do Conselho.

Veja também:

linkPaíses com veto em conselho da ONU apoiam sanções ao Irã

video Roberto Godoy comenta o acordo nuclear
linkTurquia pede que potências não negociem sanções
linkChina expressa apoio ao acordo
linkMundo recebe acordo com ceticismo

No texto, que na prática funcionará como uma denúncia da posição dos Estados Unidos e aliados, Brasil e Turquia defenderão que o acordo traz exatamente os termos exigidos por essas potências e censurarão o fato de Washington não ter dado um prazo para que o Irã pudesse colocá-lo em marcha antes de colocar a máquina das sanções em ação.

“O acordo (de Teerã) é o acordo que eles propuseram. Nós (Brasil e Turquia) apenas estávamos viabilizando uma maneira de chegar ao acordo que estava sobre a mesa. Todas as dificuldades foram superadas”, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. “Recusar o acordo não é uma atitude construtiva”, arrematou, para em seguida admitir que essa reação poderá “melindrar” o Irã.

Segundo o chanceler, as negociações conduzidas pelas delegações turca e brasileira no último final de semana permitiram eliminar todas as resistências e novas exigências do Irã em relação à proposta de acordo de outubro do ano passado.

Conforme argumentou, o governo iraniano aceitou o depósito de 1.200 quilos de urânio levemente enriquecido na Turquia em um prazo de 30 dias e o recebimento, um ano depois, dos elementos combustíveis para o reator de Teerã.

O Irã, portanto, recuou em sua exigência de que a troca fosse simultânea. Segundo Amorim, o governo iraniano também se dispôs a informar à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em uma semana sobre o acerto e a dar continuidade às negociações para a recuperação da confiança internacional na finalidade pacífica de seu programa nuclear. Da mesma forma, acatou a presença de inspetores da AIEA – imposição implícita no texto do acordo e que significa uma garantia clara de que  o Irã não enriquecerá urânio a 20%.

Na avaliação de Amorim, o acordo de Teerã pode ser considerado um “passaporte para uma solução negociada e pacífica”. Nesse sentido, o mínimo esperado dos EUA e de seus aliados seria uma manifestação de boa vontade, que poderia ser traduzida no prazo de pelo menos um mês para que o Irã cumprisse os termos iniciais do acordo.

“Ignorar o acordo é desprezar a busca de uma solução pacífica e negociada”, declarou Amorim. “Nenhum especialista do país mais anti-Irã do mundo acha  que o Irã pode fazer uma bomba atômica em um mês”, reagiu.

Amorim decidiu retornar hoje a Brasília, inesperadamente. Sua agenda para os próximos dias previa a tarefa de acompanhar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Cúpula Iberoamericana, em Madri, e em visita bilateral a Lisboa. Ainda hoje, conversou com os ministros de Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, e da China, Yang Jiechi, cujos governos acataram a proposta de resolução com novas sanções ao Irã. Diante da imprensa, Amorim preferiu não confrontar com as decisões da China e da Rússia.

Insatisfação

A embaixadora do Brasil na ONU, Maria Luiza Ribeiro Viotti, também deixou claro que não ficou satisfeita com os Estados Unidos e seus aliados terem aparentemente ignorado o acordo firmado com o Irã em conjunto com a Turquia.

“O Brasil não se envolverá em nenhuma discussão sobre a resolução neste ponto porque sentimos que há uma nova situação”, disse a embaixadora.

“Houve um acordo ontem que foi muito importante, acrescentou”.

Com informações da Reuters

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: