Aumenta número de PMs em tratamento psicológico em São Paulo

O governo do Alckmin acabou com um programa que exixtia na polícia que obrigava todo policial que matava alguém em uma operação a ficar um tempo fora das ruas, fazendo trabalho de escritório e recebendo acompanhamento psicológico.

A culpa pelo alto índice de pessoas mortas pela polícia em São Paulo não são os policiais, mas a política de segurança pública do estado, que, não só permite, como até estimula esses ocorridos.

__________________________________________

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/05/24/pms-paulistas-em-tratamento-psicologico/

24/05/2010 – 14:07

PMs paulistas em tratamento psicológico

A matéria abaixo confirma os problemas graves que estão ocorrendo com a PM paulista. Aumentam as mortes de civis, aumentam os problemas psicológicos dos policiais. Esse quadro de descalabro é fator de insegurança geral.

A gloriosa PM paulista, primeira ogrniazação que pensou em programas de qualidade no estado, está colocando em risco cidadãos e sua própria história.

Há um general Patton nessa tragédia, precisando ser enquadrado.

Do Folha

Aumenta número de PMs em tratamento psicológico

A cada dia, dez policiais militares de SP são afastados; aumento de 46%

Programa é voltado aos policiais envolvidos em ocorrências de alto risco; PMs dizem que atendimento é precário

ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO

O número de policiais militares afastados do patrulhamento nas ruas do Estado de São Paulo para tratamento psicológico subiu 46% neste ano. São dez baixas por dia.

Dados da Corregedoria da PM (órgão fiscalizador) apontam que 907 policiais foram encaminhados para o Programa de Acompanhamento e Apoio ao PM, no primeiro trimestre de 2010. No mesmo período de 2009 foram 622 -sete a cada dia.

O programa psicológico da PM é voltado principalmente para os policiais envolvidos no que o comando da corporação classifica como “ocorrências de alto risco”, quando ocorrem troca de tiros nos chamados casos de “resistência seguida de morte” no horário de trabalho do PM.

A denominação “resistência seguida de morte” não existe no Código Penal. Quando usada pela Polícia Civil para registrar supostas trocas de tiros envolvendo PMs, quem morreu figura como investigado e quem matou (o policial) é a vítima.

O atual aumento de inserções de PMs no programa psicológico coincide com o crescimento da letalidade policial no Estado.

A comparação entre o primeiro trimestre de 2009 e o deste ano revelou alta de 40%: subiu de 104 para 146 mortos, isso nos casos de “resistência seguida de morte”.

PMs que já passaram pelo setor psicológico relatam que o atendimento é precário, com profissionais improvisados na função e rejeitado pelos “praças” (soldados, sargentos e cabos), os que estão nas ruas no dia a dia.

Procurada, o comando da PM não comentou.

PERDA FINANCEIRA

Quando o PM é inserido no programa psicológico, ele fica praticamente 30 dias fora das ruas e cumpre escala de segunda a sexta-feira.

No programa psicológico para os PMs da capital, por exemplo, os policiais passam os 30 dias de afastamento das ruas em atividades físicas, de relaxamento, passeios a museus, atividades lúdicas, cursos de orçamento doméstico etc.

Há também conversas com os psicólogos do programa, que decidem quando eles voltarão às ruas.

“Não existe corpo de psicólogos na PM de São Paulo. Tudo é feito com improviso”, diz o deputado estadual Sérgio Olímpio Gomes, o Major Olímpio (PDT), um dos que têm a defesa do policial como bandeira política.

“Cada batalhão devia ter o seu psicólogo. Isso evitaria que muita coisa ruim acontecesse, mas não é o que se vê nos 102 batalhões da PM no Estado. Muitas vezes, o policial sai às ruas à beira de um ataque de fúria e ninguém está lá para ver isso”, afirmou.

662 MORTOS PELA PM

Durante todo o ano passado, ainda segundo a Corregedoria da Polícia Militar, 662 pessoas foram mortas no Estado por policiais, seja no horário de trabalho ou no período de folga -média diária de 1,81 vítima.

Foram 82 PMs mortos em 2009 -66 na folga e 16 no horário de trabalho.

Anúncios

One Response to Aumenta número de PMs em tratamento psicológico em São Paulo

  1. rogel disse:

    o q leva um jovem a ser policial e o fato de a profissao ser diferente quando ele consegue entrar e motivo de alegia mas com o decorrer dos anos tudo vira ilusao.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: