Primeiro Encontro Presidencial Bilateral Dilma-Chávez

13/06/2011

No dia 6 de junho de 2011 ocorreu o primeiro encontro presidencial entre a presidenta Dilma e o presidente Chávez, em Brasília, após ter sido desmarcado várias vezes.

Ao contrário do que a mídia dizia, ficou claro que não há nenhuma antipatia entre os dois, pelo contrário, eles se dão bem e estão comprometidos em intensificar a cooperação e a integração entre os dois países.

Desde 2007, Lula e Chávez concordaram em se encontrar de 3 a 4 vezes por ano, mais ou menos uma vez a cada 3 meses.

No primeiro telefonema entre os dois, o Chávez propôs que eles se encontrassem uma vez a cada semestre e foi a Dilma que insitiu que queria manter os encontros a cada 3 meses.

A mídia no Brasil quase não noticiou o encontro, o único assunto era o Palocci.

A única notícia relacionada ao encontro era que o Chávez tenha falado “força” pro Palocci.

A seguir, a Declaração à Imprensa, o Comunicado Conjunto dos presidente e os Acordos que foram assinados.

Também segue as duas notas técnicas do IPEA na Venezuela sobre integração produtiva e infraestrutura.

No fim, o programa Impacto Económico, da TeleSur, sobre o encontro.

_____________________________

http://blog.planalto.gov.br/parceria-entre-brasil-e-venezuela-aumentou-o-fluxo-comercial/

Segunda-feira, 6 de junho de 2011 às 15:59

Parceria entre Brasil e Venezuela aumentou o fluxo comercial

A presidenta Dilma Rousseff e o presidente Hugo Chávez durante declaração à imprensa no Palácio do Planalto. Foto: Roberto Stukert Filho/PR

A parceria entre Brasil e Venezuela foi destacada pela presidenta Dilma Rousseff, nesta segunda-feira (6/6), durante declaração à imprensa, no Palácio do Planalto. Na companhia do presidente venezuelano Hugo Chávez, a presidenta brasileira classificou como importante o diálogo entre os dois países. Dilma Rousseff iniciou o pronunciamento dando “muchas gracias” pelo fato de Chávez ter aceito o convite para visitar o Brasil.

“Sua presença comprova a elevada estima e parceria estratégica que liga o Brasil e a Venezuela. Nosso diálogo sobre os pontos principais da agenda e todas as atividades e as cooperações que já realizamos juntos mostram como é produtivo e amplo os nossos interesses comuns. E mostra também o tamanho do esforço que temos que fazer para explorará-los.”

Ouça abaixo íntegra da declaração à imprensa ou leia aqui a transcrição:

Baixar arquivo mp3

A presidenta Dilma lembrou que os desafios ocorrem em todas as áreas, mas sobretudo no plano social. “Nós queremos promover a melhoria das condições de vida de nossos países”, contou. A presidenta diz ter certeza de que a Venezuela, com sua política interna, e o Brasil, por tudo que desenvolveu até então e a partir de agora por meio do plano Brasil sem Miséria, podem incrementar o intercâmbio regional.

No discurso, a presidenta lembrou também o crescimento do comércio entre os dois países. Ela fez questão de assegurar a importância das importações brasileiras do mercado venezuelano. Isso permitiu um crescimento, em 2010, de 43%. A presidenta destacou que a relação comercial só tem importância quando “ambos ganham”, ou seja, o comércio somente tem força quando os países se beneficiam.

Dilma Rousseff lembrou também as parcerias entre a Petrobras e a PDVESA e que os acordos entre as duas companhias resultarão numa ampla integração. Segundo disse, a dimensão e a abrangência dos investimentos das empresas dos dois países reforçam a confiança nestes mercados. A presidenta lembrou que durante séculos o Brasil esteve voltado para outros mercados e que atualmente começa a mudar o rumo. Ela disse que tratou deste assunto no encontro com o presidente Chávez.

Em seguida, a presidenta explicou sobre a importância que Brasil e Venezuela tratam o desenvolvimento nas regiões de fronteira nas áreas de energia elétrica, financeira e de tecnologia de informação. Ela frisou também que o Brasil aguarda com “grande expectativa” o processo de inclusão da Venezuela ao Mercosul.

Destacou também a atuação do presidente Hugo Chávez na volta do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, ao país. Lembrou também da reunião de criação da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), que acontecerá em 5 de julho, em Caracas.

Enquanto isso, Hugo Chávez destacou a importância do Brasil no contexto da América do Sul. Chávez explicou que a primeira vez que se encontrou com a presidenta Dilma “me roubou o coração”. Chávez contou que isso ocorreu em Caracas, quando a presidenta era ministra de Minas e Energia do governo do presidente Lula.

Após a declaração à imprensa, Dilma Rousseff e Hugo Chávez se deslocaram para o Palácio Itamaraty onde os convidados foram recebidos em almoço.

__________________________

http://www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/notas-a-imprensa/visita-ao-brasil-do-presidente-da-republica-da-venezuela-hugo-chavez-brasilia-6-de-junho-de-2011-2013-comunicado-conjunto

Visita ao Brasil do Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Hugo Chávez – Brasília, 6 de junho de 2011

Comunicado Conjunto

Roberto Stuckert Filho/PR
Visita ao Brasil do Presidente da República da Venezuela, Hugo Chávez - Brasília, 6 de junho de 2011
06/06/2011 -A convite da Presidenta Dilma Rousseff, o Presidente Hugo Chávez Frías realizou visita oficial a Brasília, em 6 de junho de 2011.

Os Presidentes reafirmaram o caráter estratégico da parceria bilateral, tal como declarado em 2005, e manifestaram sua determinação em aprofundá-la.

Os Presidentes concordaram em continuar os Encontros Periódicos, que levaram a significativos avanços na relação bilateral.

Os Presidentes expressaram a sua satisfação com os acordos e projetos assinados, que refletem o compromisso dos dois Governos em fortalecer as relações bilaterais.

Ao final do encontro, os Presidentes:

I – COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA, PRODUTIVA E COMERCIAL

Ressaltaram os expressivos números do comércio bilateral, que praticamente quadruplicou entre 2002 e 2008.

Manifestaram sua satisfação com a clara tendência de recuperação das trocas comerciais em 2010, revertendo a diminuição do ritmo de crescimento em 2009, em função da crise econômica mundial.

Reafirmaram sua intenção de promover um comércio mais equilibrado entre os dois países.

Saudaram, nesse particular, o aumento das importações pelo Brasil de produtos provenientes da Venezuela, que alcançaram US$ 832 milhões em 2010 (aumento de 43,16% em relação a 2009), maior valor dos últimos dez anos.

Registraram o estabelecimento, em agosto de 2010, da Comissão de Monitoramento do Comércio Bilateral, que realizou sua segunda reunião em 6 de maio deste ano. Concordaram sobre a importância desse foro de encaminhamento das questões comerciais bilaterais.

Nesse sentido, reiteraram a importância de que as autoridades competentes cumpram todas as etapas previstas no “Memorando de Entendimento sobre Monitoramento do Comércio” com vistas ao aprofundamento das relações econômico-comerciais bilaterais.

Instruíram as áreas competentes a convocar, no segundo semestre de 2011, a III Reunião da Comissão de Monitoramento do Comércio Bilateral.

Saudaram a realização, no dia 6 de maio, do “Primeiro Encontro Econômico, Produtivo e Comercial Brasil-Venezuela”, com o objetivo de realizar encontro de negócios com empresas e associações setoriais brasileiras.

Destacaram a importância da visita de uma missão empresarial brasileira durante os dias 29 e 30 de junho a Caracas, com o objetivo de explorar oportunidades concretas no marco da Gran Misión Vivienda Venezuela.

Congratularam-se pelos avanços alcançados no marco da cooperação entre a Corporação de Indústrias Intermediárias da Venezuela (CORPIVENSA) e a Fundação CERTI do Brasil para o desenvolvimento dos projetos de implementação e operação de fábricas de equipamentos para refrigeração industrial e para o processamento de alimentos.

Quanto à conveniência de seguir estimulando o equilíbrio nas relações comerciais bilaterais, destacaram as negociações em curso entre empresas dos dois países a respeito do fornecimento de diesel sulphur, coque, ureia e metanol venezuelanos ao mercado brasileiro.

Assinalaram a significativa participação de empresas brasileiras da área de infra-estrutura e energia em diversas obras na Venezuela.

Ressaltaram a importância de garantir a continuidade dos projetos em execução, que incluem hidrelétricas, estradas, trechos do metrô de Caracas, siderúrgica e indústria de processamento de alimentos, entre outros.

II – COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

Constataram um salto na intensidade e qualidade da cooperação bilateral, que passou a incorporar diferentes iniciativas inovadoras, implementadas por várias instituições brasileiras e venezuelanas.

1. Cooperação Caixa Econômica Federal (CAIXA) – Banco da Venezuela

Instruíram as autoridades competentes a:

• Continuar aprofundando a relação entre essas duas instituições nas áreas já estabelecidas (bancarização e desenvolvimento fronteiriço), bem como em novas vertentes, como produtos e serviços de comércio exterior;

• Implementar as ações previstas na mesa de trabalho CAIXA-Banco da Venezuela sobre atuação na fronteira, conforme diretrizes aprovadas na missão técnica a São Paulo, Boa Vista e Pacaraima, nos dias 15 a 21 de março de 2011;

• Somar esforços para a inauguração, ao longo de 2011, de mais de 200 correspondentes não bancários na cidade de Caracas e no estado Vargas.

2. Cooperação na área de habitação popular (CAIXA – Ministério do Poder Popular para Habitação e Vivenda-MPPHV e Ministério do Poder Popular para Ciência, Tecnologia e Indústrias Intermediárias – MPPCTII.)

Determinaram às autoridades competentes:

• Dar seguimento ao projeto de cooperação técnica “Apoio ao Plano de Desenvolvimento Sustentável para Favelas de Caracas”, mediante o teste, em San Agustín, da metodologia já elaborada em 2010;

• Dar início à cooperação da CAIXA com o Ministério do Poder Popular para Habitação e Vivenda na estruturação de um plano de financiamento habitacional nos moldes do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

3. Cooperação Agropecuária (EMBRAPA – Instituto Nacional de Investigações Agrícolas-INIA)

Instruíram as autoridades competentes a:

• Promover a continuidade da participação da Embrapa em projetos de produção agrícola que contribuam para elevar a área plantada e a capacidade de produção de alimentos na Venezuela, em particular no que se refere à cooperação com o Ministério do Poder Popular para Agricultura e Terras na Missão Agrovenezuela e nos projetos a serem desenvolvidos em cooperação com o IPEA e Caixa, conforme os acordos assinados hoje com a PDVSA;

• Dar seguimento aos Acordos de cooperação firmados no encontro presidencial de agosto de 2010, em Caracas, em especial aqueles referentes ao combate à febre aftosa e ao distrito-motor de desenvolvimento no sul do estado Bolívar.

4. Cooperação em planejamento e políticas públicas (IPEA – Petróleos de Venezuela S.A.-PDVSA)

Determinaram às autoridades competentes:

• Dar continuidade à execução do “Programa de Trabalho de Cooperação entre o IPEA e a PDVSA para o Planejamento Territorial para o Desenvolvimento Integral da Faixa Petrolífera do Orinoco e da Área Gasífera do estado Sucre”, aprovado durante o presente encontro, que estende a cooperação entre o IPEA e a PDVSA até dezembro de 2012;

• Nesse sentido, destacaram a realização e divulgação do Informe Técnico Conjunto IPEA e Ministério do Poder Popular para Ciência, Tecnologia e Indústrias Intermediárias da Venezuela “Região Norte do Brasil e Sul da Venezuela: Esforço Binacional para a Integração das cadeias Produtivas”;

• Dar continuidade aos estudos sobre integração entre o Norte do Brasil e o Sul da Venezuela;

• Dar continuidade aos cursos de formação em planejamento e políticas públicas com apoio do IPEA e a participação de diferentes instituições venezuelanas;

• Realizar videoconferência, em junho de 2011, com participação de especialistas da CAIXA e de outros órgãos do Governo brasileiro e suas respectivas contrapartes venezuelanas, com o objetivo de intercambiar informações sobre o Cadastro Único dos Programas Sociais do Brasil e mecanismos semelhantes empregados na Venezuela.

5. Cooperação técnica

Destacaram a negociação e início da execução dos seguintes projetos, além do projeto de Desenvolvimento Sustentável de Favelas: (i) Produção de Mandioca nos estados Venezuelanos Anzoátegui e Monagas; (ii) Produção de Mudas e Beneficiamento Ecológico de Café; (iii) Desenvolvimento de Tecnologias Alternativas para o Processamento de Cítricos em Pequena Escala; (iv) Desenvolvimento Institucional do Instituto de Altos Estudos de Saúde Pública Dr. Arnoldo Gabaldón; (v) Apoio Técnico para Implantação e Implementação de Bancos de Leite Humano na Venezuela; (vi) Capacitação da Controladoria Sanitária da Venezuela em controle de produtos de consumo humano; (vii) Fortalecimento da Vigilância e Controle dos Resíduos e Contaminantes nos Alimentos; e (viii) Fortalecimento da Sanidade Agropecuária na República Bolivariana da Venezuela.

6. Cooperação em matéria de indústrias básicas e mineração

Acordaram avançar em ações concretas na área técnica e produtiva, a fim de suprir os requerimentos de cal agrícola tanto do Estado de Roraima como de outros Estados do Norte do Brasil;

Saudaram as conversações entre o Ministério de Minas e Energia do Brasil e o Ministério do Poder Popular para as Indústrias Básicas e Mineração da Venezuela, a fim de estabelecer cooperação voltada à integração produtiva na área de exploração mineral, de maneira a fortalecer o desenvolvimento dessa importante área econômica.

III – EIXO AMAZÔNIA-ORINOCO (NORTE DO BRASIL – SUL DA VENEZUELA)

Ressaltaram que os estados do Norte do Brasil e do Sul da Venezuela têm economias complementares, de maneira que a integração das cadeias produtivas das duas regiões beneficiará as populações locais.

Nesse contexto, instruíram as autoridades competentes a:

• Realizar o II Seminário, em Puerto Ordaz, a fim de complementar as propostas do I Seminário, realizado em Manaus, e subsidiar a formulação de um Plano de Desenvolvimento Integrado para as regiões que promova os fluxos comerciais e o estabelecimento de alianças e encadeamentos produtivos entre os países;

• Seguir com o cronograma de videoconferências entre o Ministério do Poder Popular para a Ciência, Tecnologia e Indústrias Intermediárias venezuelano e a SUFRAMA para a identificação de oferta e demanda de produtos para a ampliação dos fluxos comerciais com vistas à integração produtiva entre os dois países;

• Incorporar ao cronograma de videoconferências outras instituições do governo venezuelano, tais como o Ministério do Poder Popular para as Indústrias Básicas e Mineração e o Ministério do Comércio;

• Avançar nos estudos para o aproveitamento da complementaridade de regimes hidrológicos entre o norte do Brasil e o sul da Venezuela, para a geração de energia elétrica, com vistas à futura interconexão de sistemas de transmissão de eletricidade.

Saudaram a inauguração da segunda etapa (trecho Manaus-Boa Vista), no dia 11 de fevereiro de 2011, da interconexão fronteiriça entre ambos os países, reconhecendo os esforços da parte venezuelana para permitir que aproximadamente 2,4 milhões de cidadãos brasileiros tenham a possibilidade de se conectar à internet com banda larga de alta velocidade.

IV – TEMAS FRONTEIRIÇOS E CONSULARES

Reafirmaram a importância da fronteira como espaço de integração real entre os dois países. Manifestaram satisfação com os avanços obtidos no desenvolvimento da fronteira, bem como os avanços em aspectos consulares, com impacto direto na melhoria das condições de vida da população que vive na região fronteiriça.

1. Dispensa de Uso de Passaportes

• Congratularam-se pela implementação, a partir de dezembro de 2010, da dispensa de passaportes para viagens entre Brasil e Venezuela, no marco do Acordo sobre Documentos de Viagem do MERCOSUL (Decisão 18/08);

• Instruíram as autoridades competentes a dar publicidade à implementação do Acordo sobre dispensa de passaportes (Decisão 18/08) para viagens de turismo entre o Brasil e a Venezuela.

2. Grupo de Trabalho sobre Desenvolvimento Fronteiriço (GTDF)

• Ressaltaram a importância da retomada das atividades do GTDF, que realizou reuniões anuais em 2008, 2009 e 2010 e determinaram às autoridades competentes realizar a próxima reunião do GTDF no segundo semestre de 2011, na Venezuela.

3. Subgrupo de Trabalho sobre Saúde na Fronteira (STSF)

• Saudaram a criação do Subgrupo, que realizou duas reuniões em 2009, nas quais foram tratados temas como a atenção à saúde (sobre o qual está sendo elaborada pelo Brasil proposta de instrumento bilateral) e saúde indígena;

• Instruíram as autoridades competentes a realizar, na Venezuela, a III Reunião do Subgrupo, em data a ser definida no segundo semestre de 2011.

4. Acordos Fronteiriços

Congratularam-se pela:

• Assinatura, em abril de 2010, do Acordo de Localidades Fronteiriças Vinculadas , que concede os direitos de residência, acesso à educação pública e acesso a serviços e bens públicos de saúde em ambos os lados da fronteira aos cidadãos de Pacaraima e Santa Elena de Uairén;

• Assinatura, em agosto de 2010, do Acordo para o Estabelecimento de Regime Especial Fronteiriço, para simplificar e regulamentar o comércio de subsistência e o transporte entre as localidades de Pacaraima e Santa Elena de Uairén.

5. Atendimento às mulheres migrantes

• Saudaram a assinatura, em abril de 2010, de Acordo prevendo cooperação bilateral na matéria, bem como a instalação de centros de atendimento às mulheres migrantes dos dois lados da fronteira, já iniciada;

• Determinaram às autoridades competentes a dar seguimento à instalação dos centros de atendimento às mulheres migrantes em Pacaraima e Santa Elena do Uairén.

V – TEMAS SOCIAIS

Saudaram a realização da I Reunião Técnica do Gabinete Social Brasil-Venezuela, realizada em julho de 2010, que objetiva a realização de trabalhos conjuntos nos diversos temas sociais, tais como Proteção Social, Trabalho, Saúde, Direitos Humanos, Educação e Mulheres. Destacaram, ainda, a videoconferência, realizada em 16 de março último, que visou dar continuidade ao intercâmbio de informações e experiências na área social. Na videoconferência, foram identificadas algumas áreas de interesse para o trabalho conjunto: Cadastro Único, Ministério do Desenvolvimento Social; Estágio em Psiquiatria, Prevenção ao Uso do Crack e Gravidez na Adolescência, Ministério da Saúde; Economia Solidária e Combate ao Trabalho Infantil, Ministério do Trabalho e Emprego.

Instaram suas respectivas Chancelarias a definir, juntamente com os Ministérios competentes, as datas das referidas missões, a serem realizadas ao longo do segundo semestre de 2011.

VI – TEMAS REGIONAIS

Referiram-se com satisfação à perspectiva da pronta conclusão do processo de adesão da Venezuela ao MERCOSUL.

Manifestaram a importância do papel desempenhado pela União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) no processo de consolidação da América do Sul como espaço de paz, cooperação, democracia e crescimento com justiça social.

Destacaram que Brasil e Venezuela estão empenhados em obter resultados concretos em suas respectivas Presidências do Conselho de Infra-Estrutura e de Energia da UNASUL.

Saudaram a decisão, no âmbito da IV Cúpula Ordinária da UNASUL, realizada na cidade de Georgetown, em 26 de novembro de 2010, de aprovar o Protocolo Adicional ao Tratado Constitutivo da UNASUL sobre Compromisso com a Democracia. O Protocolo servirá como eficiente salvaguarda da estabilidade democrática na América do Sul.

Congratularam-se pela decisão de repartir os dois anos de mandato da Secretaria-Geral da UNASUL entre a colombiana María Emma Mejía e o venezuelano Ali Rodríguez Araque. Celebraram a investidura da Senhora María Emma Mejía como Secretária-Geral da UNASUL em evento realizado, na Guiana, no dia 9 de maio de 2011.

Tendo em vista a realização da III Cúpula da América Latina e Caribe sobre Integração e Desenvolvimento, nos dias 5 e 6 de julho de 2011, na Venezuela, manifestaram a importância de consolidar a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), como espaço para consultas políticas e promoção da cooperação entre os países da região.

A Presidenta Dilma Rousseff congratulou o Presidente Hugo Chávez pela mediação, juntamente com o Presidente Santos, do Acordo de Cartagena, que permitiu a volta do ex-Presidente Manuel Zelaya a Honduras.

A Presidenta Dilma Rousseff cumprimentou o Presidente Hugo Chávez, e, por seu intermédio, todo o povo venezuelano, pela celebração do Bicentenário da Independência.

O Presidente Hugo Chávez agradeceu a hospitalidade do povo e do governo brasileiro durante sua estada em Brasília.

____________________________

Atos assinados por ocasião da visita ao Brasil do Presidente da República Bolivariana da Venezuela, Hugo Chávez – Brasília, 6 de junho de 2011:

http://www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/notas-a-imprensa/atos-assinados-por-ocasiao-da-visita-ao-brasil-do-presidente-da-republica-da-venezuela-hugo-chavez-brasilia-6-de-junho-de-2011

__________________________

http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=8377:ipea-aponta-oportunidades-na-integracao-brasil-venezuela&catid=6:dinte&Itemid=4

12/05/2011 08:47
Ipea aponta oportunidades na integração Brasil- Venezuela

Resultados da Missão do Instituto na Venezuela, os estudos foram lançados em seminário

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) promoveu nesta quarta-feira, 11, o seminário Brasil – Venezuela: Integração Produtiva e de Infraestrutura. Durante o evento, o técnico de Planejamento e Pesquisa e titular da Missão do Instituto na Venezuela, Pedro Silva Barros, apresentou os primeiros resultados de dois estudos.  Participaram também do debate José Antônio Marcondes de Carvalho, embaixador do Brasil na Venezuela, e Maximilien Sánchez Arvelaiz, embaixador da Venezuela no Brasil.

A primeira pesquisa, intitulada A Integração de Infraestrutura Brasil-Venezuela: A IIRSA e o Eixo Amzônia-Orinoco, indicou ações de integração energética e dos sistemas de transporte que poderiam fortalecer os laços produtivos entre os dois países e reforçar o fluxo do comércio bilateral, que movimentou U$ 4,6 bilhões em 2010. De acordo com o documento, a principal medida a ser tomada seria a consolidação do eixo estratégico Amazônia-Orinoco.

Isso seria possível com a construção ou melhoria de infraestrutura rodoviária (recuperação da BR-174, que cruza os estados de Mato Grosso, Amazônia e Roraima até a fronteira com a Venezuela) e ferroviária (linhas férreas que liguem a faixa petrolífera de Orinoco e o Estado de Sucre ao Norte do Brasil), além do uso de hidrovias, aproveitando a conexão natural entre a Bacia Amazônica e a Bacia do Orinoco. Do ponto de vista energético, as exportações venezuelanas poderiam ser favorecidas pela construção de gasoduto unindo a área gasífera de Paria a Manaus.

“A integração entre a Bacia Amazônica e a Bacia de Orinoco possibilitaria à região mais carente em energia, transporte e comunicação acesso facilitado aos portos mais próximos das rotas internacionais estratégicas”, analisa o documento.

A integração das cadeias produtivas do Sul da Venezuela e do Norte do Brasil foi abordada na segunda pesquisa, resultado de uma parceria do Ipea com o Ministério do Poder Popular para Ciência, Tecnologia e Indústria Intermediárias (MCTI). Segundo Pedro Barros, existe um considerável potencial de complementação produtiva entre as duas regiões, mas que ainda é pouco explorado. “A principal relação da Venezuela com o Norte do Brasil é a importação de bovinos do Pará, sem nenhuma integração entre atividades”, comentou.

Como ações prioritárias, o estudo elegeu a reativação da cooperação entre a Zona Franca de Manaus e a Zona Franca de Puerto Ordaz e o estímulo a setores de interesse comum, como a construção civil, a produção agrícola e de fertilizantes e a mineração. “O Brasil, por exemplo, importa quase metade do seu consumo de fertilizantes de regiões distantes como a Rússia e Marrocos, sendo que existe na Venezuela potencial enorme de produção”, destacou o técnico do Ipea..

Relatórios:

Região Norte do Brasil e Sul da Venezuela: Esforço Binacional para a Integração das Cadeias Produtivas

(disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/110511_brasilvenezuela_integraprodutivas.pdf)

A Integração de Infraestrutura Brasil-Venezuela: A IIRSA e o Eixo Amazônia-Orinoco

(disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/110511_relat_brasilvenezuela_integrinfrestrutura.pdf)

________________________________

Programa Impacto Económico da TeleSur de 06/06/2011:

http://www.telesurtv.net/secciones/player_multimedia/index.php?ckl=21729&tipo=PRO&class=programas%2Fimpacto-economico